segunda-feira, janeiro 1

Reveillongo

Tomei meu primeiro autêntico grande porre para inaugurar o ano de 2007. Fui com dois colegas e um melhor amigo, fora os conhecidos e desconhecidos que encontrei pelo caminho. Destino: praia de Canoa Quebrada, a 160 km de Fortaleza. Viajei de bus, levamos quatro horas para chegar, mas foi uma delícia! Vento na cara, paisagens exóticas, descobrimentos... Decidi virar mochileira desde a subida à serra de Guaramiranga nas férias de julho last year. Conhecer o meu lugar em primeiro, logo, partir para vôos mais elevados, outros continentes e places afins, depois retornar e reconhecer minha casa com ares lavados pelo choque cultural positivo. É fácil para quem tem paixão pelo mundo, basta juntar uma boa grana, gente também boa, bagagem útil, máquina fotográfica, curiosidade e espírito aventureiro. Está achando esse tom de escrita a lá revistas de turismo? Eu também, pois é! Então vamos explicitar o lado poético...

Resolvemos partir de última hora, quando soube que uma banda rockeira amiga iria se apresentar. Foi uma motivação a mais para o meu intento de passar o fim do ano longe. Cheguei mais perto de mim. A primeira noite foi tão intensa feito a chuva de relâmpagos na praia. Após o show, sentei sozinha nos degraus da igrejinha de São Sebastião em tom de desespero súbito, quis acender cigarro pelo filtro, bêbada de Reggae psicodélico, fogueira, lUAU! Depois do banho de mar do joelho pra baixo, outro banho e cama (com alguém muito especial do lado), não necessariamente nessa ordem. Experimentei todos os drinks coloridos possíveis: Curaçau Blue, Campari, Vermut, Hi-Fi e Gin. Queima de fogos no New Year's Day, um espetáculo bem diante, sobre mim. Deitei na areia para assistir a telona do cine de um Deus hiper free. Amanhecemos escalando dunas, vendo desenhos em nuvens, falando até de filhos, pés presos nas algas debaixo d'água, sumindo de repente, mijando em cavernas, cantando Sinatra, U2, Madonna, Smiths, fazendo coreografias saudosas de James Brown. Caindo, vomitando Vodka, escovando o dente, abrassuando, beijando mooito, na maior promiscuidade de líqüidos.

No final, nenhum sentimento de culpa, só saudade; EXAGERADOS, jogados aos pés da sarjeta mais perfumada de todas: à vida um brinde a mais! Dia da confraternização universal. Nem fiz promessa, nem pedi, só cai na gandaia. Decadent feito estrela. Mudada, mudada. Que nem gente grande. ELEVATION! Ganhei carona, voltei de carro, cochilei ouvindo Ricky Astley, back to anos 80. Acordei com uma versão dance de With or without you na voz de uma mulher. Não era eu, nem foi sonho. Mas pareceu... Só falta revelar o filme, o resto já foi em parte revelado, sem ninguém se queimar. Minha pele é que está vermelha, sem vergonha, corada de Sol somente. Ai... Ssssssss Aaahh!!!

Um comentário:

Tarco Zan disse...

O registro é poeira perto da pedreira e da delícia q eh a vida REAL!XXX