quinta-feira, março 29

reFLUXO passageiro

Não, não, não. Camada mais estranha dentro do ônibus! Todos iguais, todos iguais, todos... Usam o mesmo WalkManP3 com forrozeria chiante, bonés dos garotos, modinhas, camisetas de surf, de cursos, de escola. Uniforme de lixo. Mulheres adiposas com suor escorreito nos peitos, cheiro de discrepância no tônus. De pé, lotado.
E o sentado pergunta gentilautomaticamente:
- Quer que eu segure a sua pasta, a sua bolsa, o seu caderno?
Não-enfermos e não-idosos sentam no banco preferencial das gestantes que carregam dois no colo, mais outro no útero e lotam os grandes circulares e as vãs Vans pela cidade suburbana.
Faço parte dela, farei o parto dela ao partir. Por isso!!!

2 comentários:

Tarco Zan disse...

Se eu disser que tens sorte de contar ainda com uma gentileza nesses tempos! É a velha história, onde menos se espera... nasce um broto verde. O mundo eh tão... fora do nosso alcance! de vez em quando ele dá uma lambida dessas e sentimos nojo. Já imaginou qdo decidirem nos comer?

ps> te camufla pra não virar comida.

Anônimo disse...

Paola, na sexta-feira passada, você postou em seu blog algo sobre um seminário a respeito do autor cearense Moacir Gadelha. Gostaria de saber aonde foi realizado este seminário. Fiquei interessado. Por favor, responda através do meu e-mail (helbermed@yahoo.com.br)
Helber